Alegado
publicidade

Divulgação de um vídeo não agradou à oposição.

Este ano o Maxial acolheu a comemorações dos 45 anos do 45.º aniversário do 25 de Abril de 1974. Nesse sentido, foram realizadas várias atividades que deram forma a um programa que celebrou a liberdade e a democracia. No entanto, houve um momento durante a primeira atividade do dia, [a Sessão Solene da Assembleia Municipal], que não agradou à aposição.

Para o grupo municipal do PSD a sessão solene tornou-se num “comício político” devido à divulgação de um alegado “vídeo propagandista” por parte do PS.

“Não me senti confortável naquela sessão. Não concordo e senti-me indignado, senti que em determinado momento estava num comício e não voltarei a estar em situações daquelas”, afirmou Luís Carlos Lopes, deputado do PSD, no passado dia 30 de abril na segunda sessão da Assembleia Municipal de Torres Vedras

“Ando nisto há 20 anos e nunca tinha assistido a tal coisa, em que se passa um vídeo a meio de uma sessão solene”, acrescentou o deputado do PSD lamentando que o “momento propagandista, quase comicieiro, tenha, na sua opinião, ofuscado as várias iniciativas bem organizadas pela União de Freguesias de Maxial e Monte Redondo”.

No final da intervenção do deputado Luís Carlos Lopes, José Augusto Carvalho, presidente da mesa da Assembleia, adiantou que tinha enviado um e-mail aos seis líderes dos grupos municipais, com o conhecimento do presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras, respondendo às críticas que tinha recebido entretanto, afirmando não ter combinado o formato da sessão “com ninguém, incluindo o presidente da Câmara”.

“É surrealista admitir que eu pudesse interferir no teor das intervenções, nem do Bloco de Esquerda nem do presidente da Câmara, como não admitia que interferissem no que entendi dizer. Reconheço que talvez haja, no futuro, que controlar os tempos de intervenção. Quanto à projeção do vídeo devo afirmar que me surpreendeu nada me ter sido dito previamente. Como me compete, mostrei posteriormente desagrado ao presidente da Câmara”, explicou José Augusto Carvalho.

Carlos Bernardes, presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras, respondeu ao e-mail pedindo desculpa ao presidente da mesa da Assembleia Municipal explicando que o recurso ao vídeo pretendia mostrar o trabalho que está a ser desenvolvido na freguesias, no sentido de promover os territórios.

“Fi-lo na consciência de completar o meu discurso, sem qualquer intenção de propaganda”, afirmou o edil.

Nuno Henriques (PSD) considerou que “a efeméride não era para ter uma vídeo de apologia ao trabalho que o PS fez. E se havia audiovisuais ou outros equipamentos devia ser do conhecimento e ao dispor de todos”.

Rui Matoso (BE) admitiu que o seu discurso na sessão solene possa ter inoportuno e radical mas “não quis fazer nenhum discurso inoportuno e foi sobre o desenvolvimento da democracia local e o aprofundamento da mesma, que falei”.

Crédito de Imagem: Câmara Municipal de Torres Vedras

publicidade

Artigo anteriorPortugal atinge recorde de vendas de veículos elétricos em 2018
Próximo artigoIlha das Berlengas pela primeira vez com limite diário de 550 visitantes
Joana Timóteo
Nasci em Torres Vedras a 25 Fevereiro de 1996. Apaixonada pela comunicação e pelo jornalismo Licenciada em Comunicação e Jornalismo pela Universidade Lusófona, encontrei nas minhas raízes o meu primeiro "grande" desafio profissional na minha área!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui