Bloco de Esquerda questiona Governo sobre falta de meios nos Bombeiros da Nazaré
publicidade

O Bloco de Esquerda alertou para a falta de meios dos bombeiros da Nazaré, que há cinco anos não recebem equipamentos de proteção individual e desde 2017 aguardam a reposição de viatura perdida nos incêndios de Pedrógão Grande.

As queixas transmitidas pela Associação Humanitária dos Bombeiros da Nazaré ao Bloco de Esquerda (BE) são a base de uma pergunta ao Governo em que os deputados bloquistas consideram que a promessa de dotar a associação da “verba necessária para a compra de um novo equipamento” não passou de “meras intenções”.

Em causa está um carro de combate que a corporação do concelho da Nazaré, no distrito de Leiria, perdeu “numa intervenção no incêndio florestal de Pedrógão Grande, em 2017”, e que até hoje não foi reposta, limitando, segundo a pergunta divulgada hoje pelo BE, a capacidade de intervenção do corpo de bombeiros.

O partido dá nota de mais uma queixa dos dirigentes e profissionais da associação de que “há cinco anos não recebem equipamentos de proteção individual (EPI) para o combate a incêndios”, situação sobre a qual os deputados já haviam questionado o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, aquando do debate em especialidade do Orçamento do Estado para 2021.

Perante a “ausência de resposta”, o BE voltou a perguntar ao Governo quando prevê “a reposição do prometido carro de combate aos incêndios florestais”, uma vez que a atual pandemia de covid-19 “veio demonstrar mais fortemente as insuficiências do financiamento à corporação”.

“Segundo a direção dos Bombeiros Voluntários da Nazaré, a covid-19 veio aumentar fortemente as despesas da corporação e reduzir as suas receitas”, pode ler-se no documento, em que o BE explica que “as despesas aumentaram com as aquisições e desinfeções de equipamentos de proteção, assim como com novas necessidades de transporte”.

Já as receitas “diminuíram com a redução de solicitações remuneradas pelos hospitais, situação que se agravou ainda com o aumento dos atrasos de pagamento dos mesmos”.

O BE sublinha a importância das corporações de bombeiros, que “com o avançar do processo de alterações climáticas” enfrentam “um desafio crescente” com o surgimento de “eventos extremos cada vez mais severos e frequentes”.

 No caso do distrito de Leiria, exemplificam, com os grandes incêndios de junho e outubro de 2017, e com o furacão Leslie, em outubro de 2018, “foram percetíveis as muitas fragilidades do sistema de proteção civil local e nacional, nomeadamente ao nível da qualificação dos agentes e na manutenção e renovação de equipamentos”.

De acordo com o BE, “também ao nível dos quadros de pessoal as insuficiências foram muitas, pois as Equipas de Intervenção Permanente cobrem apenas oito horas diárias de trabalho entre segunda e sexta-feira”.

Por isso, o partido quer saber se o Governo está disponível para reforçar o número de equipas no distrito de Leiria, bem como se tem previstas medidas para garantir maior qualificação dos agentes, profissionais e voluntários a nível local.

No que diz respeito à formação profissional, é referido, os Bombeiros Voluntários da Nazaré “consideraram fundamental existir um programa de formação a nível local”, entendendo-se que “a Escola Nacional de Bombeiros não desempenha o papel que devia, pois direciona parte substancial da sua atividade para garantir formações remuneradas em empresas em vez de apostar na qualificação dos bombeiros”.

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here