Covid-19: Museu da Lourinhã entra em ‘lay-off’ e lança campanha para receber donativos
publicidade

O Museu da Lourinhã, no distrito de Lisboa, entrou em ‘lay off’ por se encontrar encerrado desde 14 de março devido à pandemia covid-19 e lançou hoje uma campanha a pedir donativos à população, disse hoje a sua presidente.

“Recorremos ao ‘lay off’ por ser um mecanismo que o Governo colocou ao dispor das organizações para fazer face a uma situação tão imprevista como é esta pandemia”, afirmou à agência Lusa Lubélia Gonçalves, presidente da direção do Grupo de Etnografia e Arqueologia da Lourinhã (GEAL), associação que tutela o museu.

Desde 06 de abril, quando recorreu ao ‘lay off’, a associação suspendeu os contratos de trabalho a cinco funcionários, de forma total, a um outro trabalhador apenas de modo parcial.

O Museu, que está de portas fechadas desde 14 de março devido à pandemia, liquidou os salários de março e recorreu àquele mecanismo para “agir antes de chegar uma situação mais complicada”.

“Com a porta fechada, não entram visitantes, mas temos os nossos compromissos e não queremos deixar de os honrar, porque é fácil esta situação resvalar”, admitiu a dirigente.

As visitas escolares foram canceladas até junho.

Contudo, apesar da imprevisibilidade do contexto, o Museu espera “reabrir logo que haja autorização”.

Os efeitos criados pela pandemia na instituição vieram agravar a quebra de receitas dos últimos dois anos, decorrentes da transferência de grande parte do seu espólio paleontológico para o Parque dos Dinossauros, que abriu portas há dois anos no concelho.

O número de visitantes e de receitas de bilheteira reduziram 50% em 2019 face a 2016, antes da transferência da coleção paleontológica.

“Não foi uma surpresa, estada dentro das nossas estimativas, mas temos noção que o Dino Parque veio dar uma visibilidade maior ao nosso espólio, ao receber mais visitantes, por um lado, e estávamos a prever atividades para este ano para contrariar essa tendência”, sublinhou Lubélia Gonçalves.

As receitas que o Museu recebe por ano por cada visitante do Dino Parque foram investidas em projetos de investigação paleontológica.

Perante as dificuldades financeiras causadas pela pandemia, o Museu lançou hoje uma campanha apelando à população que contribua com donativos, com 0,5% do seu IRS para a instituição, fazendo-se sócios, regularizando quotas para quem já for associado ou adquirindo artigos na loja virtual do Museu.

O Museu tem um orçamento anual que ultrapassa os 200 mil euros, metade dos quais é para salários.

A Lourinhã regista nove casos de infeção confirmados, estando um deles recuperado, de acordo com o último boletim epidemiológico divulgado pela câmara municipal.

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 145 mil mortos e infetou mais de 2,1 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 465 mil doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 657 pessoas das 19.022 registadas como infetadas.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa quatro mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

O “Grande Confinamento” levou o Fundo Monetário Internacional (FMI) a fazer previsões sem precedentes nos seus quase 75 anos, prevendo para Portugal uma recessão de 8% e uma taxa de desemprego de 13,9% em 2020.

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here