Covid-19: Novo centro nas Caldas da Rainha aumenta capacidade em 200 testes diários
publicidade

O segundo centro de testes covid-19 abriu hoje nas Caldas da Rainha, no distrito de Leiria, numa parceria entre a autarquia e um laboratório privado com capacidade para realizar entre 100 e 200 testes diários, informou a câmara.

O novo centro de testes “vai permitir obter resultados entre 48 a 72 horas após a realização do teste e reduzir as listas de espera”, disse o presidente da câmara das Caldas da Rainha, Fernando Tinta Ferreira, à agência Lusa.

O centro resulta de uma parceria entre a autarquia o laboratório Germano de Sousa – Centro de Medicina laboratorial, que conta já com mais de duas dezenas estruturas, de norte a sul do país, a realizar testes à covid-19.

A estrutura abriu portas às 14:00, no Pavilhão Municipal Rainha D. Leonor, onde “poderão ser testadas todas as pessoas com indicação das autoridades de saúde”, prevendo-se que “numa primeira fase sejam realizados cerca de 100 testes por dia”, número que, “dependendo da procura, poderá ser alargado para 200”, explicou o autarca.

A par com o espaço, a câmara facultou ainda à empresa uma linha telefónica e de internet para marcação dos exames, sendo o atendimento assegurado por funcionários do município.

“A existência deste recurso vai possibilitar arrancar com a realização de testes aos funcionários dos lares do concelho”, no âmbito de um processo integrado no conjunto de medidas articuladas com a Comunidade Intermunicipal do Oeste (OesteCim) e que, segundo Tinta Ferreira, no concelho das Caldas deverá iniciar-se dentro de duas semanas.

De acordo com o último boletim epidemiológico publicado pela 0esteCim, entre o início da pandemia e as 20:00 de domingo foram registados no concelho das Caldas 22 casos de covid-19. Destes 12 continuam ativos, oito pessoas recuperam e duas morreram.

Em Portugal, morreram 735 pessoas das 20.863 registadas como infetadas, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A covid-19 é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Segundo um balanço da AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 165 mil mortos e infetou quase 2,5 milhões de pessoas em 193 países e territórios. 

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

Portugal cumpre o terceiro período de 15 dias de estado de emergência, iniciado em 19 de março, e o decreto presidencial que prolongou a medida até 02 de maio prevê a possibilidade de uma “abertura gradual, faseada ou alternada de serviços, empresas ou estabelecimentos comerciais”.

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here