Covid-19: Torres Vedras equaciona reduzir época balnear no concelho
publicidade

O município de Torres Vedras, no distrito de Lisboa, está a equacionar limitar a julho e agosto a época balnear devido à pandemia de covid 19, disse hoje o seu presidente em conferência de imprensa.

“É nossa intenção que a época balnear seja de 01 de julho a 31 de agosto”, afirmou Carlos Bernardes, quando a época balnear era de 15 de junho a 15 de setembro, nos anos anteriores.

A viatura “Praia Segura”, de reforço da vigilância em todo o litoral, vai, contudo, estar operacional de 15 de junho a 15 de setembro.

O autarca vai reunir-se na sexta-feira com concessionários das praias do concelho, Agência Portuguesa do Ambiente e Autoridade Marítima para definirem em conjunto as regras de funcionamento este ano das praias no atual contexto da pandemia.

O executivo municipal aprovou hoje isentar os estabelecimentos comerciais localizados das zonas balneares das taxas de ocupação do domínio hídrico.

A medida visa “auxiliar os proprietários de restaurantes, ‘snack-bares’ ou alojamentos turísticos a equilibrar a sua situação financeira”, por ter sido “dos setores mais afetados desde o início do combate à pandemia”, refere a proposta, a que a agência Lusa teve acesso.

A câmara municipal reconhece também que, “com as restrições que serão aplicadas pelo Governo, o trabalho destes operadores será fortemente afetado”.

A competência de gestão das praias passou este ano para a autarquia no âmbito da descentralização de competências do Estado para os municípios.

A câmara de Torres Vedras está também a equacionar autorizar os estabelecimentos comerciais a alargarem as áreas das esplanadas e a isentá-los do pagamento de taxas, disse o autarca.

Para esta época balnear, o autarca disse estar mais preocupado com o controlo da capacidade de carga em praias urbanas, como as da Formosa e Santa Helena, em Santa Cruz.

Mas, referiu que a dimensão do litoral e a extensão dos areais “são uma vantagem” no atual contexto da pandemia, para dispersar os banhistas ao longo das praias e evitar aglomerações.

Na conferência de imprensa, Carlos Bernardes fez ainda o ponto de situação das medidas implementadas no âmbito Plano Municipal de Emergência, ativado em 12 de março, e do Programa Municipal de Apoio Extraordinário para responder aos efeitos causados pela pandemia.

O Centro de Testes à covid-19 efetuou 1400 testes desde 12 de março, abrangendo sobretudo trabalhadores de lares de idosos, e iniciou mais 278 testes a profissionais das creches do concelho.

O hospital de campanha montado no pavilhão do Sporting de Torres vai ser desativado, numa altura em que desceu o número de casos de infeção ativos no concelho e na região, anunciou.

A Linha de Apoio Psicossocial atendeu mil chamadas, o município serviu nove mil refeições a alunos carenciados e profissionais de saúde e emprestou 850 computadores (250 deles novos) e meio milhar de acessos móveis à Internet a alunos carenciados para permitir aulas à distância.

Das 39 medidas previstas no Programa Municipal de Apoio Extraordinário, “50% estão implementadas”, adiantou.

Câmara e juntas de freguesia estão a distribuir 800 vales de refeições, de 25 euros cada, por famílias carenciadas que tenham perdido rendimentos por causa da pandemia, assim como pela população máscaras reutilizáveis, tendo já atingido as 60 mil.

Torres Vedras regista 43 casos de infeção confirmados, mas apenas um está ativo.

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here