Economia circular em destaque no Congresso Empresarial do Oeste
publicidade

Vários empresários e oradores refletiram sobre o futuro do Oeste na estratégia 2030, com a presença Ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, na sessão de encerramento.

O Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha recebeu na quinta feira, 4 de outubro, o Congresso Empresarial do Oeste. Vários empresários e oradores refletiram sobre o futuro do Oeste na estratégia 2030, com a presença Ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, na sessão de encerramento.

Pedro Folgado, Presidente da Comunidade Intermunicipal do Oeste, presidiu à abertura do Congresso salientando a forma como a OesteCIM tem utilizado os fundos estruturais no apoio ao investimento, à coesão territorial e social e ao tecido empresarial. O Presidente aproveitou ainda para referir vários desafios futuros do Oeste, entre eles os desafios de competitividade, demográfico, combate às alterações climáticas, transição energética e melhoria da qualificação da população.

Carlos Miguel, Secretário de Estado das Autarquias, também presente no Congresso, aproveitou para anunciar que a partir de janeiro de 2019 o Governo vai reforçar as competências das CIM em matéria de planeamento regional e que, em termos de execução de obra, a OesteCIM é a segunda CIM da Região Centro com um fundo executado e pago na ordem dos 5 milhões.

A definição das políticas públicas no futuro empresarial e do empreendedorismo no Oeste foi um dos temas do Congresso, num Painel que contou com a presença de Isabel Damasceno, CCDR-Centro.

A mesma salientou a importância dos fundos comunitários no apoio a projetos empreendedores, destacando o ambiente comum para a competitividade que se sente na Região Oeste e o importante papel desenvolvido pela sua Comunidade Intermunicipal.

Na sessão de encerramento o Ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, salientou a importância da transição de um sistema económico linear para um modelo circular. A economia linear, “base de toda a atividade socioeconómica, está a falhar”. Se se quiser “alimentar, vestir, garantir a saúde e a habitação, produzir, comercializar e dar emprego aos 10 mil milhões de pessoas que irão habitar este planeta” é preciso adotar “um modelo de desenvolvimento circular”.

Se até 2030 a transição para a economia circular for acelerada a estimativa de ganhos é de “1, 9 biliões de euros, entre 1 a 3 milhões de empregos” e “a redução de 4% do total anual de emissões de gases que produzem efeitos de estufa na Europa.” Portugal não quer ficar de fora deste momento, tendo o Governo já lançado o Plano de Ação para a Economia Circular, em que se inserem as medidas de fiscalidade para os plásticos ou as agendas regionais desenvolvidas pelas Comissões de Coordenação.

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here