Favoritos confirmam estatuto no contrarrelógio de Belmonte
publicidade

Os corredores apontados como candidatos à conquista dos títulos nacionais de contrarrelógio confirmaram as expectativas e venceram, hoje, os exercícios individuais do Campeonato Nacional de Estrada, em Belmonte.

A prova de elite masculina assistiu a um duelo entre os gémeos Domingos Gonçalves (Rádio Popular- Boavista) e José Gonçalves (Team Katusha Alpecin), com Tiago Machado (Team Katusha Alpencin) a dificultar a tarefa aos irmãos de Barcelos.

Domingos Gonçalves acabou por ser o mais forte, concluindo os 33,7 quilómetros em 43m06s, menos 12 segundos do que José Gonçalves. O famalicense Tiago Machado completou o pódio, a 20 segundos do vencedor. Só os três minhotos cruzaram a meta em menos de 44 minutos.

Domingos Gonçalves

“Dei o meu máximo, tentando gerir o esforço. Deu-me algum ânimo começar a ver o Rafael
Reis na segunda subida do percurso, pois vi que estava a andar bem. Depois comecei a ver o Sérgio Paulinho ao longe. Na parte final, em paralelo, a roda da frente prendeu mais um
bocadinho, quebrei aqui, mas os outros também. Consegui completar o meu objetivo: vencer o nacional”, descreve Domingos Gonçalves.

O bicampeão nacional não dá muito destaque à luta mano a mano entre irmãos. “É meu irmão, mas em cima da bicicleta é um rival como os outros. Fora da bicicleta é mais um amigo, como outros que tenho no pelotão”, salienta o boavisteiro.

O pódio de sub-23 foi integralmente composto por ciclistas que representam equipas estrangeiras. O melhor de todos foi Ivo Oliveira (Hagens Berman Axeon). O gaiense conquistou o primeiro título sub-23 de estrada da carreira, terminando os 24,1 quilómetros de prova em 31m35s, com uma folgada margem de 28 segundos sobre o companheiro de equipa João Almeida, segundo classificado. O terceiro foi Tiago Antunes (Aldro Team), a 1m51s do mais veloz.

Ivo Oliveira

“Vencer era o meu objetivo. Vim para aqui treinar duas vezes, com a ajuda do meu irmão
Hélder, que me ajudou a perceber o que tinha de fazer para regular o esforço. Hoje, com as
indicações do selecionador de pista, Gabriel Mendes, que vinha atrás de mim no carro, fiquei motivado. Era a minha última oportunidade de ganhar um título em sub-23 e consegui alcançar o objetivo”, frisou Ivo Oliveira, emocionado, após o final da corrida.

Se na prova de elite a luta pelo título foi entre irmãos, em sub-23 foi entre colegas de equipa.

“Sabia que o meu companheiro era o principal adversário. Não vejo isso como uma coisa má. Se fosse ele a ganhar ficava igualmente contente, mas ele ainda tem mais dois anos de sub- 23, pode esperar”, brincou Ivo Oliveira.

Daniela Reis (Doltcini-Van Eyck Sport) não deu a menor hipótese à concorrência ao longo dos 24,1 quilómetros da prova feminina de elite, conquistando o quarto título nacional de contrarrelógio da carreira na categoria superior. Daniela Reis gastou 38m43s, menos 1m09s do que Maria Martins (Sopela Women’s Team) e menos 3m26s do que a campeã do ano passado, Soraia Silva (Sopela Women’s Team), que a acompanharam no pódio.

Daniela Reis

“Gostei do percurso, porque tinha partes duras que me favoreciam bastante. Tinha também
cerca de 6/7 quilómetros muito a rolar e a descer, nos quais tive maior dificuldade, devido ao meu baixo peso. Consegui ganhar tempo nas subidas e proteger-me bem nas partes mais rolantes”, explicou Daniela Reis.

A corredora que, na próxima semana, irá representar Portugal nos Jogos do Mediterrâneo, tanto na prova de fundo como na de contrarrelógio, já tem os olhos nessas corridas, a disputar em Tarragona, Catalunha. “Ainda não sei quais serão as minhas adversárias, mas já estive a estudar o percurso e acho que posso ter algumas hipóteses de conquistar um bom resultado”, adianta a nova campeã nacional de contrarrelógio.

O programa do Campeonato Nacional de Estrada prossegue neste sábado. Às 11h00 correm as femininas, integralmente no circuito desenhando em Belmonte. O pelotão vai juntar as ciclistas de elite com as juniores, as cadetes e as masters. As ciclistas da categoria principal vão percorrer 107 quilómetros, resultantes de cinco voltas ao circuito de 21,4 quilómetros. As juniores completam menos uma volta, ficando-se pelos 85,6 quilómetros, enquanto as cadetes e as masters têm de cumprir três voltas e 64,2 quilómetros.

Ainda no sábado, a partir das 15h00, é a vez de o pelotão de sub-23 competir pelo título nacional de fundo. Tal como acontecerá no dia seguinte com os corredores de elite, os sub-23 percorrem 76 quilómetros e só depois entram no circuito de Belmonte. A prova acabará à quarta passagem pela meta, quando estiverem cobertos 160,4 quilómetros.

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here