publicidade

As Invasões Francesas são o pano de fundo para o Festival Novas Invasões, cuja primeira edição decorrerá em Torres Vedras, entre os dias 27 e 30, promovendo o encontro entre a História e a atualidade.

“É um festival com uma raiz patrimonial, assente na nossa História, mas que não se esgota aí, trazendo à cidade propostas culturais dos principais países envolvidos no conflito, mas também de novos invasores convidados”, disse à Lusa a vereadora da Cultura na Câmara de Torres Vedras, Ana Umbelino.

O festival decorrerá em quatro locais da cidade de Torres Vedras (Parque da Horta Nova, Largo de Santo António, Castelo e ruas do Centro Histórico), promovendo “o encontro de culturas e a aproximação entre os povos que estão juntos na construção de um projeto europeu”, acrescentou a responsável.

No centro do festival, apresentado hoje à comunicação social, estará um mercado oitocentista que funcionará como fundo cénico e “como elemento de ligação entre o tempo passado e a atualidade”.

A par, decorrerão diariamente espetáculos de música, teatros, dança e circo, interpretados por artistas e companhias nacionais e oriundas de França (país que protagonizou as invasões travadas nas Linhas de Torres) e do Reino Unido, à época aliado do exército português na tarefa de travar os avanços de Napoleão.

Já o novo ‘invasor’ será, nesta primeira edição, o Chile, cuja história, tradições e cultura atual serão dadas a conhecer através de várias propostas artistas incluídas na programação.

A expetativa da organização é “atrair visitantes e turistas que gozam férias na região e em Lisboa”, explicou Ana Umbelino, referindo que a organização do evento custará à autarquia cerca de 60 mil euros.

Todos os espetáculos acontecerão ao ar livre, com entradas gratuitas.

O Festival Novas Invasões é realizado em parceria com várias associações culturais do concelho. O conceito tem estado a ser desenvolvido desde 2010, aquando das comemorações do bicentenário das Linhas de Torres, uma estrutura defensiva constituída por 177 fortes e redutos que impediu as tropas francesas de Napoleão Bonaparte de invadir Lisboa em 1811.

O festival terá uma periodicidade bianual e, em cada edição, um país ‘invasor’ diferente.

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.