Hospitalização domiciliária na região Oeste chegou a 173 doentes em 2019
publicidade

O Centro Hospitalar do Oeste (CHO) teve 173 doentes em hospitalização domiciliária em 2019, depois de o projeto ter arrancado em junho do ano passado, disse hoje a presidente do conselho de administração da instituição.

Entre junho e dezembro de 2019, as duas unidades de hospitalização domiciliária, uma em Torres Vedras (no distrito de Lisboa) e outra em Caldas da Rainha (distrito de Leiria), chegaram a 173 doentes, afirmou Elsa Baião à agência Lusa.

Ambas as unidades registaram 1.862 dias de internamento domiciliário, uma taxa de ocupação de 87%, efetuaram 53 mil quilómetros e demoraram 10,76 dias a responder em média às solicitações.

O projeto arrancou com cinco camas de hospitalização domiciliária na área de influência do hospital de Caldas da Rainha e igual número na zona servida pelo hospital de Torres Vedras.

A hospitalização domiciliária “é uma alternativa ao internamento hospitalar para doentes agudos que tenham condições sociais e clínicas para estarem no domicílio”, explicou a administradora.

O projeto visa “contribuir para dar mais conforto a estes doentes, libertar camas hospitalares e reduzir o risco de complicações para estes doentes, como as infeções hospitalares”, acrescentou.

Elsa Baião sublinhou que a média de camas nos hospitais do CHO é de 1,1 camas por mil habitantes, quando a média nacional é de 2,1 camas.

A opção pela hospitalização domiciliária implica a existência de um cuidador e exige o consentimento do doente e da respetiva família, bem como o cumprimento de um “conjunto de critérios clínicos, sociais e geográficos que permitam a sua hospitalização no domicílio.

As equipas de apoio são multidisciplinares, integrando médicos, enfermeiros, uma assistente técnica, uma gestora, uma assistente social, uma farmacêutica, uma psicóloga e uma nutricionista.

A Caixa Agrícola de Torres Vedras ofereceu à instituição uma viatura para transportar a equipa de Torres Vedras, assim como 12 camas elétricas articuladas para apetrechar o serviço de Medicina B do hospital local.

O Centro Hospitalar do Oeste integra os hospitais de Torres Vedras, Caldas da Rainha e de Peniche e serve cerca de 300 mil habitantes daqueles três concelhos, assim como de Óbidos, Bombarral, Cadaval e Lourinhã e parte dos concelhos de Alcobaça (freguesias de Alfeizerão, Benedita e São Martinho do Porto) e de Mafra (com exceção das freguesias de Malveira, Milharado, Santo Estêvão das Galés e Venda do Pinheiro).

publicidade

Artigo anteriorAção de limpeza e florestação na Ribeira da Conquinha este domingo
Próximo artigoÓBIDOS: Homem detido por tráfico de droga
Agência Lusa
A Lusa é a maior produtora e distribuidora de notícias sobre Portugal e o mundo, em Língua Portuguesa. A Lusa acompanha a atualidade nacional e internacional a cada segundo, e distribui informação em texto, áudio, foto e vídeo. A rede Lusa de correspondentes cobre geograficamente todo o país e está presente em 29 de países do mundo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui