publicidade

Defendeu estar alcoolizado e sob efeito de drogas na noite do crime.

Embora tenha admitido o crime, o arguido, Bruno Romãode 22 anosnão se recorda de matar o homem, de 32 anos, que encontrou com a ex-namorada na Praça da Batatana manhã de 26 de fevereiro do ano passado, como descreveu o Ministério Público (MP) na acusação, a que Lusa teve acesso.

Na acusação, o MP diz que o arguido agiu “por ciúmes infundados e pela sua sede de desacatos”.

“Não havia motivo nenhum para ter feito o que fiz”, alegou Bruno Romão, durante a primeira sessão do julgamento realizado ontem no Tribunal de Loures, no distrito de Lisboa.

O arguido disse não ser “próximo” da vítima, nem da antiga companheira.

A vítima e a ex-namorada, segundo a acusação, conheceram-se na noite do crime através de amigos em comum.

A presidente do coletivo de juízes referiu que o arguido já foi condenado por violência doméstica, com pena suspensa, crime este praticado com a ex-namorada, que encontrou na noite de Carnaval com a vítima.

Bruno Romão afirmou ter um “apagão” na memória após um jantar de aniversário, na noite de 25 de fevereiro, tendo ingerido álcool ao longo do dia e consumido haxixe.

“O Bruno estava alterado”, descreveu uma testemunha na sessão da manhã e que esteve presente no jantar, altura em que viu o arguido “espetar” a faca do crime na mesa, como também foi indicado pelo MP, o que Bruno Romão negou.

Já durante a madrugada de 26 de fevereiro e após ter sido expulso de um bar por causar desacatos, a mesma testemunha cruzou-se com o arguido e assistiu à “confusão” entre ele e a vítima por volta das 9:00.

Após vários “socos” e “pontapés” entre os dois e mesmo depois de serem afastados, o arguido espetou uma faca “por baixo do mamilo esquerdo, atingindo o coração”, indicou o MP e a testemunha, tendo depois fugido do local.

Com a roupa “salpicada” de sangue, foi até um café para tomar o pequeno-almoço e cruzou-se com o proprietário do bar de onde foi expulso. “O dono do bar é que disse que eu tinha cometido o crime”, explicou Bruno, momento em que diz ter começado a recuperar a memória.

De forma a perceber o que tinha feito, dirigiu-se ao hospital de Torres Vedras, para onde foi encaminhada a vítima, mas acabou por ser expulso e depois detido por agentes da PSP.

Bruno Romão mostrou-se arrependido, ao que a juíza questionou: “O senhor está muito arrependido, mas não se recorda de nada?”.

“Se eu me lembrasse, é óbvio que me tinha entregado às autoridades”, respondeu, pedindo ainda desculpa à família da vítima.

Durante a tarde de ontem foram ouvidas mais testemunhas, sendo que o arguido tem estado em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional de Caxias.

Em outubro de 2022, o Tribunal da Comarca Lisboa Norte decidiu levar a julgamento Bruno Romão, acusado pelo Ministério Público de um crime de homicídio qualificado, pelo que pode ser punido com uma pena entre 12 e 25 anos de prisão.

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here