Levar, doar, ler e devolver. Primeira cabine de leitura em Torres Vedras
publicidade

“Levar, doar, ler, devolver” é o mote exposto nestas antigas cabines telefónicas que, depois de restauradas, se transformam em bibliotecas comunitárias.

Ontem, 7 de março, foi inaugurada a primeira cabine de leitura em Torres Vedras. Situada na esquina da Rua José Augusto Lopes JúniorTorres Vedras com a Rua Henriques Nogueira, esta cabine de leitura surgiu da reabilitação de uma antiga cabine telefónica.

“Aqui estava uma velhinha cabine telefónica da então Portugal Telecom, algo que já teve vida no passado, em que nós vínhamos à cabine telefónica para namorar ou para telefonar a um familiar mais distante. Tudo isso se transformou e o espaço que estava aqui, hoje volta a ter vida e acho que isso é o mais importante”, realçou Carlos Bernardes, presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras na cerimónia de inauguração que contou com a presença do presidente executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca.

Este espaço passa a contar com dezenas de títulos, incluindo literatura infantil e juvenil, romances, policiais, culinária, biografias, entre outros, doados por editoras, livrarias e/ou pelos moradores.

Uma iniciativa que pretende reaproveitar antigas cabines telefónicas assegurando “a sua adaptação, colocação e dinamização com o objetivo de estreitar laços comunitários, exercitar a cidadania e fomentar a leitura num espaço totalmente inesperado com o mote:
“levar, doar, ler, devolver”.

Trata-se de uma projeto da Fundação Altice, antiga Fundação PT. Tudo começou em 2013 com a primeira cabine do país a ser inaugura me Barcelinhos. Ao todo, são já quase 30 cabines de leitura distribuídas pelo país.

“Esta é uma peça que no nosso entender contribui para o desenvolvimento daquilo que são os níveis de literacia e de cultura da sociedade. Transformar uma peça de imobiliário urbano, que em muitos casos já estava em algum desuso, e transformá-lo efetivamente numa peça que não é apenas imobiliário urbano agora mais atual, mas também acima de tudo comunitário”, afimou Alexandre Fonseca.


publicidade

Artigo anteriorFísica marcou presença na prova TORREGRI 2
Próximo artigo“Anarquia” foliona julgada em Torres Vedras e entrudo enterrado
Joana Timóteo
Nasci em Torres Vedras a 25 Fevereiro de 1996. Apaixonada pela comunicação e pelo jornalismo Licenciada em Comunicação e Jornalismo pela Universidade Lusófona, encontrei nas minhas raízes o meu primeiro "grande" desafio profissional na minha área!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui