publicidade

A semana começou de maneira diferente para as crianças do 1º ciclo da Escola Básica de Torres Vedras. Aos rastreios visuais que visavam despistar algum tipo de daltonismo, as turmas dividiram-se em pequenos grupos para passarem por uma experiência única: à volta de uma mesa e colocando óculos preparados para o efeito, as crianças puderam ver e sentir como se fossem daltónicos.

A torriense Óticas-OCT juntou-se ao ColorADD, o projecto de Miguel Neiva que, através de um código, faz com que os daltónicos consigam identificar as cores. A acção pretendia sensibilizar, desde cedo, para a realidade do daltonismo, uma limitação que, tal como referiu o designer e Professor da Universidade do Minho, “não é visível aos olhos dos outros.”

Manhã dedicada ao daltonismo sensibiliza os mais pequenos da EB de Torres Vedras

Esta é a segunda vez que o projecto visita o concelho. Depois da Ventosa, hoje foi a vez de alunos e professores desta escola de Torres Vedras ficarem a conhecer melhor a realidade do daltonismo, numa manhã que contou com a presença de Laura Rodrigues, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras e responsável pela Educação. “Felizmente, ainda não houve ninguém que tivesse manifestado dificuldade na cor” refere Luís Góis, director-geral das Óticas-OCT, que integram o grupo Instituto Óptico, parceiro do sistema inovador. “Mais do que o número” de casos que são diagnosticados nos mais novos, realça “o impacto que tem na sua vida escolar e no seu dia-a-dia.”

Miguel Neiva trouxe consigo a equipa que forma o ColorADD, que brindou as crianças com actividades de sensibilização. A meio da manhã a pequenada aproveitava o intervalo no recreio. Dentro da sala, era agora a vez das professoras terem um momento de formação sobre o tema. O mentor do projecto reforçou que o seu sucesso “muito se deve aos professores que nos têm acompanhado” e rapidamente partiu para a análise do fenómeno: 350 milhões de pessoas, em todo o mundo, são daltónicas. “A conotação da palavra ‘daltónico’ é má” alerta, sublinhando a importância de acções como esta que se multiplicam dentro e fora do país.

Manhã dedicada ao daltonismo sensibiliza os mais pequenos da EB de Torres Vedras
Alguns números sobre o daltonismo. Dados fornecidos pela ColorADD.

“Não sou daltónico e acho que isso faz com que este projecto tenha o impacto que está a ter. Mostra que somos muito mais competentes se fizermos as coisas a pensar nos outros” conta Miguel Neiva ao Torres Vedras Web. Designer gráfico de formação, faz-nos perceber como tudo começou. “Sempre acreditei que o design tinha a competência de poder tornar o mundo melhor.” Tendo no horizonte o conceito de “design para todos” e consciente de que “nada existia no mundo que pudesse resolver o problema do daltonismo” deu início a uma investigação que viria a decorrer durante oito anos.

A partir da noção de que cor e forma garantem universalidade na linguagem e, excluindo à partida a primeira, restava trabalhar a forma. Assim, a cada cor primária foi atribuído um símbolo gráfico, sendo que através desses três símbolos e das suas conjugações, o daltónico consegue identificar todas as cores. O sistema foi testado em mais de 250 âmbitos e validado cientificamente em 2009. Seguiu-se o trabalho com diversas empresas e organizações. Hoje, o código está a ser implementado em etiquetas de diversas marcas de roupa, lápis de cor, bibliotecas, hospitais e meios de transportes (como no Metro do Porto).

“Isto mexe, de facto, com a vida das pessoas”

“O que fiz foi criar soluções simples e fáceis para que toda a gente possa entender.” Parece simples a missão que rege Miguel Neiva e o ColorADD, que resume o sistema em “dar ao daltónico a possibilidade de ele utilizar uma ferramenta sem que tenha de pagar por ela e sem que tenha de assumir a sua condição.” No fundo, conclui, trata-se de “incluir sem discriminar.”

Manhã dedicada ao daltonismo sensibiliza os mais pequenos da EB de Torres Vedras
Miguel Neiva, designer e Professor da Universidade do Minho, lidera o projecto ColorADD.

Ao reconhecimento das Nações Unidas como Melhor Aplicação Inclusiva do Mundo, o projecto e o seu criador somam distinções, condecorações e prémios, a nível nacional e internacional. Mas o reconhecimento dito “oficial” parece ser facilmente superado pelo contacto directo com quem viu o seu dia-a-dia melhorado através deste sistema. “Há uma criança na Argentina que reza por mim todas as noites. A mãe contactou-me através das redes sociais e eu enviei-lhe uma série de ferramentas. Agora todos os anos pelo meu aniversário recebo desenhos e velinhas” conta, acrescentando que “todos os dias recebo emails de mães a agradecerem porque o filho deixou de ser discriminado na escola.”

“A minha vida é totalmente dedicada a este projecto, há quatro anos que não durmo cinco dias seguidos em casa. Tanto estou aqui em Torres Vedras como vou agora para a Índia fazer exactamente isto.” Dedicação e paixão parecem ser a chave para o sucesso deste projecto. “Esta é a minha maneira de estar na vida.”

Com o sol a espreitar e com o recreio da EB de Torres Vedras mais vazio, Miguel Neiva admite que “até o modelo de negócio é inovador e justo. As empresas para utilizarem um código nos seus produtos pagam-nos uma licença de utilização, mas esse valor é indexado à dimensão das empresas.” Confessa que já rejeitou várias propostas de exclusividade em áreas de negócio e sublinha que se trata de um projecto “democrático”. “É um projecto para as gerações futuras que tem de ser implementado naturalmente, tal como uma árvore.”

O ColorADD encontra-se na fase final do Chivas The Venture, mostrando que uma empresa “consegue ter um potencial transformador e grande impacto social, com retorno económico – que não é o objectivo, é uma consequência.” Miguel Neiva vê a participação no concurso mundial de empreendedorismo como “uma porta para o mundo.” Depois dessa porta, as expectativas não poderiam ser outras. “Espero um futuro ainda mais colorido para todos.”

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.