publicidade

No decorrer da conferência “Torres Vedras rumo à neutralidade carbónica”, a qual se realizou no dia 30 de junho, no Parque Regional de Exposições, em Torres Vedras, no âmbito da Feira de S. Pedro, foi assinado um memorando de entendimento para a criação do Torres Vedras Living Lab Green Hydrogen.

Trata-se de um documento que visa a constituição de uma plataforma para a promoção da utilização do hidrogénio verde no concelho de Torres Vedras, a qual envolve um vasto conjunto de entidades, a saber: Câmara Municipal de Torres Vedras; AP2H2 – Associação Portuguesa para a Promoção do Hidrogénio; DELAB – Energy Efficiency & Green Power; Transportes Paulo Duarte, Lda; Grupo Valouro; Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Torres Vedras; PRF – Gás, Tecnologia e Construção, SA; ISQ – Instituto de Soldadura e Qualidade; EDP – Energias de Portugal; Lhyfe; Rauschert; Cerâmica Torreense; Firstrule, SA; Winpower – Engenharia e Desenvolvimento, SA; SMARTENERGY Group AG; Finerge, SA; Coopérnico – Cooperativa de Desenvolvimento Sustentável, CRL; INEGI – Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial; Barraqueiro Transportes, SA; AdP Energias – Energias Renováveis e Serviços Ambientais, SA; ACR ENERGIA, Lda; Cerâmica Outeiro do Seixo, SA; Iberdrola; Dourogás Renovável – Produtora de Gás, SA; BMI Portugal; Fusion-Fuel; Toyota Caetano Portugal, SA; e CaetanoBus.   

Segundo o texto do memorando: “os subscritores deste documento comprometem-se em colaborar cada um dentro das suas diversas áreas de intervenção, sejam elas de investigação e desenvolvimento, indústrias, prestações de serviços nas mais diversas áreas, produtores de energia, transportadores, financiadores, entre outros”, sendo que “a colaboração referida deverá materializar-se através da partilha de ações e informações entre todos independentemente dos objetivos particulares de cada um, encarregando-se o Município [de Torres Vedras] em fazer o papel de ligação entre os subscritores do presente memorando, e de divulgação de possíveis fontes de financiamento sejam elas privadas ou públicas, sempre que tal lhe seja proposto e ou solicitado” .

O memorando de entendimento para a criação do Torres Vedras Living Lab Green Hydrogen vai, de resto, de encontro à Estratégia Nacional para o Hidrogénio (EN-H2), a qual, segundo se pode ler no documento, “tem como objetivo principal introduzir um elemento de incentivo e de estabilidade para o setor energético, promovendo a introdução gradual do hidrogénio verde enquanto pilar sustentável e integrado numa estratégia mais abrangente de transição para uma economia descarbonizada, enquanto oportunidade estratégica para o país”.

Ainda de acordo com o texto do memorando: “o hidrogénio verde assume um papel central, enquanto opção eficiente para promover, aprofundar e facilitar a transição energética e, em simultâneo, como oportunidade de desenvolvimento económico, industrial, científico e tecnológico no quadro europeu. Portugal apresenta fortes argumentos para permanecer na vanguarda da transição energética e construir uma estratégia rumo a uma economia neutra em carbono, baseada em fontes de energia renovável, com foco na eficiência energética e nos benefícios para o consumidor de energia”.

De referir ainda que o prazo de validade do pacto assinado é de cinco anos, podendo esse prazo ser prorrogado.

publicidade

Artigo anteriorInício do período crítico de Incêndios Rurais. Recorde que ações são proibidas durante este período
Próximo artigoTorres Vedras tem cada vez mais empresas Gazela
Redação
O TORRES VEDRAS WEB é um website de informação, notícias e recursos sobre a cidade, concelho de Torres Vedras e da atualidade em geral. A tua cidade online!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui