publicidade

Os 24 refugiados que há um mês estão em Portugal já começaram a ter aulas de português e em breve, segundo o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, vão ter autorização de residência provisória que permitirá acesso ao mercado de trabalho.

Ao abrigo do Programa de Relocalização de Refugiados da União Europeia, Portugal recebeu, a 17 de dezembro, o primeiro grupo de refugiados proveniente da Eritreia, Sudão, Iraque, Síria e Tunísia, que estavam nos centros de acolhimento da Grécia e de Itália.

Segundo o diretor do Serviço Jesuíta aos Refugiados (SJR), “o primeiro mês de integração destas famílias está a correr como o planeado e previsto”, sendo uma das prioridades a aprendizagem da língua portuguesa.

Os 24 refugiados são titulares de declaração comprovativa de apresentação do pedido internacional, que permite a permanência legal em Portugal e lhes confere determinados direitos, como ter acesso ao sistema nacional de saúde e ao ensino, mas, adianta o SEF, “muito em breve”, será emitida uma autorização de residência provisória que permite o acesso ao mercado de trabalho.

O primeiro grupo de refugiados que chegou a Portugal é sobretudo formado por casais, existindo seis famílias com filhos menores e um bebé que foram acolhidos por instituições de Lisboa, Cacém, Torres Vedras, Marinha Grande, Penafiel, Ferreira do Zêzere e Alfeizerão.

Na quinta-feira, a diretora nacional do SEF, Luísa Maia Gonçalves, disse que um segundo grupo de refugiados, também vindos de centros de acolhimento da Grécia e Itália, deverá chegar a Portugal no final do mês de janeiro.

Hoje assinala-se o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado, segundo a Igreja católica.

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.