Ministério da Agricultura apoia a Cidade Europeia do Vinho
publicidade

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA APOIA A “CIDADE EUROPEIA DO VINHO 2018”

 A “Cidade Europeia do Vinho 2018”, distinção atribuída pela Rede Europeia das Cidades do Vinho – RECEVIN aos municípios de Torres Vedras e Alenquer, conta com o apoio do Ministério da Agricultura.

Na Gala de Abertura da “Cidade Europeia do Vinho 2018”, Luís Capoulas Santos, ministro da Agricultura, da Floresta e do Desenvolvimento Rural, havia já declarado o apoio do seu ministério para que o sucesso deste programa “seja tão grande quanto possível.”

“Torres Vedras e Alenquer têm 75% do vinho que está no top das denominações da região de Lisboa”, lembrou. Com uma área conjunta que representa 32% do total da região Oeste, estes são dois dos concelhos portugueses com maior tradição e produção vitivinícola de vinhos tintos, brancos e rosés, sendo pioneiros na produção de vinhos leves.

A agricultura nesta região caracteriza-se, pois, por ser essencialmente de vinha. No caso de Torres Vedras, esta reflete-se numa superfície de cerca de 6.073 hectares, com um número de explorações que chega aos 2.885, sendo a fileira com mais área ocupada no concelho. Alenquer apresenta uma área de vinha superior a 8.000 hectares, que se distribui por cerca de 40 produtores e que origina uma produção que ascende aos 248.000 hectolitros de vinho.

A viticultura é, por isso, uma das atividades mais relevantes na agricultura destes concelhos, sendo que aqui podemos encontrar a maior quinta produtora do país e uma das maiores do mundo, a Casa Santos Lima, e a adega cooperativa com maior produção nacional, com 42 milhões de litros de vinho (em 2016), a Adega Cooperativa de S. Mamede da Ventosa.

A viticultura chegou mesmo a ser a principal atividade económica de Torres Vedras, que conta com 63 castas identificadas e com uma área que supera os 3.200 hectares de casta por identificar. Também em Alenquer, a vinha assume-se como a principal produção do concelho, com as zonas da Merceana, Labrugeira e Olhalvo a serem responsáveis pela produção de 20 a 25% do vinho da região Oeste.

Torres Vedras e Alenquer representam duas Denominações de Origem (DOC) da região de Lisboa. Atualmente, os territórios destacam-se no panorama vitivinícola daquela região, não só pela área ocupada por vinha mas sobretudo pelo prestígio que os seus vinhos têm vindo a alcançar, sejam eles vinhos com denominação de origem ou vinhos regionais.

A distinção de Torres Vedras e Alenquer enquanto “Cidade Europeia do Vinho”, atribuída anualmente pela Rede Europeia das Cidades do Vinho – RECEVIN, acontece no ano em que o Ministério da Agricultura comemora um século de existência.

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here