Museu da Lourinhã lança programa de apoio à investigação científica
publicidade

Através deste programa, o museu garante que “o património paleontológico do concelho seja estudado dentro do concelho”.

O Museu da Lourinhã, no distrito de Lisboa, lançou um programa de apoio à investigação científica, ao qual podem candidatar-se investigadores nacionais e estrangeiros entre quinta-feira e 26 de maio, foi hoje anunciado.

O programa, que homenageia a título póstumo o fundador e antigo conservador do museu, Horário Mateus, “tem a intenção de dar um contributo ao desenvolvimento da investigação científica”, disse na apresentação Lubélia Gonçalves, presidente do Grupo de Etnografia e Arqueologia da Lourinhã (GEAL), associação que gere o museu.

Neste primeiro ano, o programa tem uma verba prevista de 30 mil euros dos 123 mil euros que o museu recebeu de parte da receita de bilheteira do Parque dos Dinossauros da Lourinhã, para onde foi transferida grande parte da coleção de paleontologia desde fevereiro de 2018.

Nesta primeira edição, o museu vai apoiar apenas projetos na área da geologia e paleontologia, financiada pelo Dino Parque todos os anos, até ao montante máximo de 10 mil euros por cada um.

Através deste programa, o museu garante que “o património paleontológico do concelho seja estudado dentro do concelho”.

O programa é mais abrangente e tem como objetivo, nos próximos anos, alargar o financiamento a projetos de investigação e estudos nas áreas da arqueologia, antropologia e história local.

Podem concorrer investigadores nacionais ou estrangeiros, de preferência com doutoramento há pelo menos cinco anos ou com licenciatura ou mestrado, cuja investigação seja acompanhada por um professor orientador.

Os projetos não vão ser financiados na totalidade e terão de ter a duração de 12 meses, podendo alargar-se aos 24 meses.

Em 2018, o Museu da Lourinhã registou cerca de 15.200 visitantes, menos cerca de 25% do que em relação a 2016, em resultado da mudança da coleção de paleontologia para o Parque dos Dinossauros.

“O decréscimo está dentro das expectativas e não o vemos como um problema, mas como um desfio”, sublinhou a presidente.

O Dino Parque da Lourinhã, que completou um ano em fevereiro, ultrapassou os 350 mil visitantes, quando tinha como objetivo para o primeiro ano de abertura atingir os 200 mil.

O Dino Parque, um investimento de 3,5 milhões de euros num dos maiores parques temáticos de dinossauros da Europa, tornou possível aumentar a exposição dos achados de dinossauro existentes no concelho, já que o Museu da Lourinhã se tornava exíguo.

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here