Museu do Ciclismo Joaquim Agostinho já tem Conselho Consultivo
publicidade

Este órgão tem como principal função apoiar a Direção do Museu nas suas iniciativas e no seu programa de atividades.

O Conselho Consultivo do Museu do Ciclismo Joaquim Agostinho foi apresentado ontem nas futuras instalações do Museu. Composto por um conjunto de individualidades que acompanharam a carreira e privaram com Joaquim Agostinho, este Conselho pretende contribuir para que o Museu seja um elemento de preservação da memória do atleta e um divulgador do ciclismo.

Este órgão tem como principal função apoiar a Direção do Museu nas suas iniciativas e no seu programa de atividades. Simultaneamente, pretende contribuir para a divulgação do ciclismo não só como competição desportiva, mas também como uma modalidade que constitui uma atividade física saudável.

Os membros do Conselho são: Eduardo Marçal Grilo, Ana Santos, António Cristóvão, Artur Lopes, Eduardo Guita Júnior, Fernando Correia, Francisco Araújo, Francisco Fernandes, João Mendonça, João Roque, Joaquim Gomes, Leonel Miranda, Manuel Graça, Marco Chagas, Federação Portuguesa de Ciclismo, Sporting Clube de Portugal, jornal A Bola e União Desportiva do Oeste.

A apresentação contou com as presenças de Carlos Bernardes, presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras, Ana Umbelino, vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Torres Vedras, Laura Rodrigues, vereadora da Atividade Física da Câmara Municipal de Torres Vedras, e Eduardo Marçal Grilo, presidente do Conselho Consultivo do Museu do Ciclismo Joaquim Agostinho.

A criação deste Museu é um projeto que está a ser desenvolvido desde 2013, com o objetivo de homenagear o ciclista torriense Joaquim Agostinho, bem como celebrar o ciclismo e os atletas desta modalidade. A Câmara Municipal de Torres Vedras encontra-se a reunir informações e objetos relacionados com o trajeto desportivo de Joaquim Agostinho, tendo já adquirido o espólio de Francisco Araújo, mecânico do atleta, e chegado a acordo para a cedência em rotatividade do espólio detido pela família de Joaquim Agostinho.

Foi também assinado este mês o Contrato de Empreitada para Reabilitação de Edifício para o Museu Joaquim Agostinho. A obra vai ter um custo de cerca de 577 mil euros e prevê-se que a execução da empreitada esteja concluída em 10 meses.

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here