Tiago Pombal
publicidade

São diversos os projectos nas áreas da inovação e da tecnologia que surgem no concelho de Torres Vedras. Duas áreas que nos dias de hoje são fundamentais ao serviço da educação, dado o elevado potencial do seu cruzamento com outras disciplinas como a ciência, a física, a mecânica,
entre outras.

Existe um exemplo de sucesso bem perto de nós, torrienses, o Clube de Robótica do Agrupamento de Escolas de São Gonçalo.

Neste momento vai muito além de um clube, sendo já uma referência em território nacional e internacional, levando o nome e marca Torres Vedras a vários pontos do globo pelos melhores motivos, entre eles a consecutiva premiação nos diversos concursos nacionais e internacionais
em que participa.

Só através de uma breve conversa com alguns intervenientes, é que conseguimos perceber a escala deste projecto. Breve, porque nem os professores nem os alunos têm “mãos a medir” com tanto e tudo o que têm por construir. Impera a vontade de fazer bem, o sentido de responsabilidade e a consciência de que um prémio é apenas um prémio, sendo que o verdadeiro valor deste projecto está no seu processo, no conjunto de sinergias que é criado em torno de um clube que já é uma família. Saliente-se o seu potencial em tornar os alunos agentes activos, através do cruzamento de diversas disciplinas tornando a robótica um projecto transversal, que nos apresenta uma nova dinâmica de trabalho em grupo.

Como diria o professor Jaime Rei, “… nesta equipa e fora dela, ninguém é melhor que o outro nem ninguém sabe mais que o outro. Todos têm algo a ensinar e a aprender, dos mais novos aos mais velhos.” Talvez seja este um dos segredos do sucesso desta equipa, a humildade de saber dar e receber, nesta e em qualquer outra área.

Impressiona. Impressiona a dedicação de uma equipa que vai dos 7 aos 50, impressiona o Tomás que já domina o computador e a técnica da programação robótica, impressiona um projecto que reúne os alunos de diversas escolas do concelho e até universidades, impressiona quebrar-se de uma forma tão singela a ideia feita de que a tecnologia é um mal para os mais novos, impressiona o robot que dança e aquele que joga futebol, impressiona transformar lixo tecnológico em aparelhos para pessoas com dificuldades motoras, impressiona o facto de ficarmos impressionados no instante em que entramos numa sala cheia de “pequenos especialistas”.

Diz-se que quanto mais fizermos pelo mundo, mais fazemos parte dele, na certeza de que este projecto ainda só vai no inicio de uma longa caminhada, e já é o que é…

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.