publicidade

Para quantos cidadãos a problemática da água se resume apenas à avaliação de saber se paga muito ou pouco pela água que recebe em casa e pela água que rejeita através de rede de saneamento?

Proponho-me tentar abordar aqui as questões ligadas aos objetivos fundamentais das entidades gestoras e que é o de colocar na casa do consumidor, água em contínuo, quantidade e qualidade. Não vou dissecar custos e proveitos, porque isso nos levaria a outro tipo de debate e desviaria o foco do que pretendo abordar.

No fundo, o que será necessário para que consigamos abrir a torneira e a água corra sem parar, em quantidade (pressão) e qualidade? É esse ciclo que, eventualmente, estará no subconsciente de muitos de nós mas que não trazemos à luz do dia.

Hoje em dia, estando praticamente completa a rede pública de abastecimento, as atenções (leia-se, investimento) viram-se para a renovação das redes como “remédio” para as perdas de água e para a qualidade da água. Naturalmente que, redes com demasiadas fugas, não só implicam perdas financeiras como também provocam pressões mais baixas e infiltrações externas com repercussão óbvia na qualidade da água.

Mas, então, as palavras de ordem serão renovar, renovar, renovar? Ou começar a renovar as redes, de forma cega e indiscriminada não será começar o edifício pelo telhado? Na minha opinião, assim é, seguramente. Passo a tentar explicar o meu raciocínio.

É necessário, obviamente, definir critérios para se tomar a decisão de renovar a rede A ou B. Que critérios? Idade da rede? Material das condutas? São critérios pouco rigorosos, falíveis, portanto. Há notícia de redes em fibrocimento com 50/60 anos em ótimas condições e redes em tubo com 20 anos, a necessitarem de renovação. Há variadíssimos fatores que influenciam a tomada de decisão, para além da idade e do material. A natureza do terreno, estar ou não sob pavimentos com grande movimentação de trânsito, grandes consumidores cujo gasto de água implica grande pressão sobre a rede, etc.

De qualquer forma, o primeiro passo será o de ter a rede devidamente cadastrada, isto é, georreferenciada com todo o detalhe relativo à idade, material e envolvência. Isso é um trabalho que compete a um Sistema de Informação Geográfica (SIG), completado pela Mobilidade Operacional, ou seja, as equipas que estão diariamente no terreno vão atualizando e retificando os dados existentes e enriquecendo a base de dados, proporcionando uma Gestão Patrimonial das Infraestruturas (GPI).

Mas isto é “curto” como se costuma dizer porque, embora forneça alguns dados, não permite a tomada de decisão sobre as prioridades da renovação de redes porque ainda não sabemos quais as que estão em pior estado, a não ser por palpite…

É aqui que entra a setorização da rede e que tem um papel decisivo na habilitação da tomada de decisão. Imagine-se uma rede de 1 400 quilómetros que se “parte” em 150 pedaços mais pequenos em que na extremidade de cada um se instalam caudalímetros e sistemas de telemetria, através de sensores específicos. É aqui que vamos ter o retorno e avaliação das redes com mais fugas e, portanto, com necessidade de mais rápida renovação. De uma maneira geral, pode corresponder a redes mais antigas mas nem sempre isso é assim e, ir por esse caminho, é fazê-lo sem qualquer base científica.

Com esta setorização e ações complementares, não só se habilita á tomada de decisão em bases sustentáveis como se poupa muitos milhares de metros cúbicos em água perdida, com as implicações económico-financeiras fáceis de imaginar.

Portanto, quando hoje alguns “iluminados” pretendem a renovação de redes a todo o custo, disponibilizando fundos comunitários mas ignorando o que está a montante como os SIG, a GPI, os programas de redução de perdas (setorização), demonstram grande ignorância da problemática da água e estão a apelar que se deite dinheiro à rua. Aliás, do meu ponto de vista, apenas deveria haver fundos comunitários para quem execute todo este ciclo.

publicidade
Artigo anteriorGrémio Artístico Torriense encheu para assistir à final dos Novos Talentos 2016
Próximo artigoProteção Solar não só para a pele
Sérgio Augusto Nunes Simões, é natural de Torres Vedras, onde nasceu a 02-10-1945, tendo aqui frequentado a escola primária, com exceção de 2 anos passados em Angola. O liceu foi repartido entre Mouriscas, Torres Vedras, Coimbra e Lisboa. Licenciou-se, já enquanto bancário, pela Universidade de Lisboa, em Línguas e Literaturas Modernas, na variante de Estudos Portugueses e Ingleses. Trabalhou na Câmara Municipal, antes de ingressar no serviço militar como oficial miliciano. Ingressou na carreira bancária em 1971, tendo-se reformado em 2001. Foi dirigente do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas, entre 1982 e 1989 A sua atividade política iniciou-se em 1973, ainda na clandestinidade, tendo aderido ao Partido Socialista em maio de 1974. Eleito em 1976 para a Assembleia da República, participou ativamente na elaboração de alguma legislação laboral como a Lei da Greve, Lei das Comissões de Trabalhadores e Lei Sindical. Foi o proponente da elevação então vila de Torres Vedras a cidade. Foi membro da Assembleia Municipal de Torres Vedras em sucessivos mandatos. Foi vereador da Câmara Municipal de Torres Vedras entre 1989 e 1993, chefe de gabinete do Presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras entre 2002 e 2005, data em que assumiu o cargo de vogal executivo do Conselho de Administração dos Serviços Municipalizados de Torres Vedras, lugar que deixou em 2013, por força da entrada em vigor da legislação que obriga a que esse cargo seja ocupado por vereadores. Desde então, exerce, em regime não remunerado, as funções de assessor do Presidente da Câmara para o setor das Águas, junto dos SMAS de Torres Vedras.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.