Prazo para câmaras aceitarem competências na Educação prolongado até 31 de março
publicidade

No âmbito da descentralização de competências, com exceção da Educação, “todos os diplomas de forma individual preveem que haja 60 dias para as autarquias poderem deliberar se não têm condições [de aceitar]”, revelou o secretário de Estado das Autarquias Locais, Carlos Miguel.

O prazo para os municípios aceitarem a delegação de competências na área da Educação vai ser prolongado até 31 de março, anunciou hoje o secretário de Estado das Autarquias Locais, Carlos Miguel.

De todos os diplomas referentes à transferência de competências para os municípios, o da Educação “é aquele que terá um prazo distinto”, afirmou hoje o secretário de Estado das Autarquias Locais, Carlos Miguel, anunciando que “os municípios poderão dizer até 31 de março se têm ou não condições para aceitar [competências] para o ano letivo que se iniciará posteriormente”.

Em declarações à agência Lusa, o governante explicou que o diploma da Educação tem ainda “alguns acertos a fazer” e vai ser hoje enviado à Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) para esse efeito.

Para o Governo, o diploma da Educação é “o que tem que entrar na hora certa, porque tem a ver com o ano letivo”, sendo que nos restantes a data poderá ser adiantada ou antecipada alguns dias.

A previsão do Governo é que, com exceção do diploma da Educação, todos os outros estejam concluídos a 15 de outubro, data da entrega da proposta de Orçamento do Estado na Assembleia da República.

De acordo com o secretário de Estado, apenas “cinco diplomas ainda não foram a Conselho de Ministros”, nomeadamente o das freguesias, que “será provavelmente o último a ir”, o da Saúde e o da Educação, “que têm pacotes financeiros associados”, e os das Áreas Portuárias e do Transporte Fluvial.

Com exceção da Educação, “todos os diplomas de forma individual preveem que haja 60 dias para as autarquias poderem deliberar se não têm condições [de aceitar], sendo que se forem cumpridos os prazos a delegação de competência poderá iniciar-me em janeiro de 2019.

Porém, dado que o PCP defendeu que todo os diplomas sejam discutidos na Assembleia da República, “se assim for as datas já terão que ser outras”, conclui Carlos Miguel.

O secretário de Estado das Autarquias falava à Lusa nas Caldas da Rainha, à margem do Congresso Empresarial do Oeste, que reuniu ontem cerca de 500 participantes no Centro Cultural e de Congressos (CCC).

De relembrar que a Câmara Municipal de Torres Vedras já manifestou publicamente “a sua disponibilidade para receber, a partir de 2019, as competências constantes do diploma em apreço”.

A lei-quadro da transferência de competências para as autarquias, publicada em 16 de agosto, estabeleceu que a natureza e afetação de recursos das novas atribuições serão concretizadas “através de diplomas legais de âmbito setorial relativos às diversas áreas a descentralizar”.

O diploma, aprovado no parlamento apenas com votos favoráveis do PS e PSD, determina a comunicação pelas entidades autárquicas, até 15 de setembro de 2018, de recusa da transferência das competências em 2019, mas refere que a lei só “produz efeitos após a aprovação dos respetivos diplomas legais de âmbito setorial”.

Uma vez que a descentralização é concretizada de forma gradual, o diploma determina a comunicação até 30 de junho de 2019 das entidades autárquicas que não pretendem a transferência em 2020, mas todas as competências “consideram-se transferidas” até 01 de janeiro de 2021.

O Governo já aprovou 15 diplomas setoriais, das cerca de duas dezenas previstos, nomeadamente nas áreas do policiamento de proximidade, jogos de fortuna ou azar, fundos europeus e captação de investimento, promoção turística, praias, justiça e associações de bombeiros.

Os outros diplomas aprovados abrangem as áreas da proteção civil, proteção e saúde animal e segurança dos alimentos, habitação, estruturas de atendimento ao cidadão, vias de comunicação, gestão do património imobiliário público, cultura e ação social.

Os cerca de 20 diplomas setoriais da descentralização devem ser progressivamente aprovados em Conselho de Ministros até 15 de outubro, a tempo do Orçamento do Estado, sendo a educação e a saúde as áreas mais difíceis de acordo entre Governo e municípios.

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.