Região Oeste quer mais financiamento do Governo para passes nos transportes
publicidade

A Comunidade Intermunicipal do Oeste defendeu hoje a necessidade de se aumentar, no Orçamento do Estado (OE) deste ano, o financiamento de apoio aos passes nos transportes na região.

Em conferência de imprensa em Arruda dos Vinhos, o secretário executivo da OesteCim, Paulo Simões, disse que, no Orçamento de Estado para 2020, está inscrita uma verba de 1,7 milhões de euros do Programa de Apoio à Redução Tarifária nos Transportes (PART) para a região Oeste.

Contudo, com a redução do valor do preço dos passes para 70 e 80 euros desde o início deste mês e “pelos fluxos que existem [da região] para Lisboa, essa verba é insuficiente e estamos a trabalhar para ter um apoio suplementar”, adiantou o responsável.

Para 2020, a OesteCim e os municípios da região decidiram investir 1,6 milhões de euros para reforçar a verba do Programa de Apoio à Redução Tarifária nos Transportes (PART), com o objetivo de reduzir o valor dos passes inter-regionais para Lisboa pela segunda vez, depois das alterações implementadas desde abril de 2019.

Desde o início deste mês de janeiro, os passes inter-regionais para Lisboa passaram a ter um custo de 70 euros para utentes dos transportes públicos dos concelhos de Alenquer, Arruda dos Vinhos, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras.

Já para os concelhos de Alcobaça, Bombarral, Cadaval, Caldas da Rainha, Lourinhã, Nazaré, Óbidos e Peniche, o passe inter-regional é de 80 euros.

Com a redução do valor do preço dos passes, a OesteCim estimar duplicar os gastos e ter este ano custos de cerca de quatro milhões de euros com o financiamento desses títulos.

Na conferência de imprensa, o presidente da câmara de Arruda dos Vinhos, André Rijo, disse que, em sede de discussão na especialidade do OE2020, as verbas do PART podem ser reforçadas em 15 milhões de euros e espera que a região Oeste possa ser contemplada, face ao elevado número de passageiros que todos os dias se desloca para a capital, cerca de cinco mil.

“No pior cenário, os municípios estão preparados para assumir o financiamento”, afirmaram os dois.

Ambos justificaram a redução dos passes para resolver “a falta de equidade que se sentia” em comparação com os valores praticados na Área Metropolitana de Lisboa (AML).

Se o Oeste não tentasse equilibrar os preços, “assistir-se-ia a uma transferência de residentes e empresas para a AML”, sublinharam.

Em 2019, o Estado atribuiu à região 1,3 milhões de euros, montante a que a OesteCim somou mais 650 mil euros para implementar um passe municipal (dentro do perímetro de cada concelho) de valor não superior a 30 euros, um passe até 40 euros para as deslocações intermunicipais (dentro do território da OesteCim) e 30% de descontos nos passes para ligações inter-regionais com os concelhos da Área Metropolitana de Lisboa (AML), da Lezíria do Tejo e da Região de Leiria.

A região Oeste é composta pelos concelhos de Alcobaça, Bombarral, Caldas da Rainha, Nazaré, Óbidos, Peniche, do distrito de Leiria, e por Alenquer, Arruda dos Vinhos, Cadaval, Lourinhã, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras, do distrito de Lisboa.

Imagem: Jornal Alvorada

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here