Relação da inteligência artificial com a saúde foi abordada em Torres Vedras
publicidade

A cidade de Torres Vedras voltou a receber o Fórum Saúde XXI para o segundo momento do Ciclo de Conferências a Oeste – Torres Vedras 2019.

63 participantes estiveram reunidos no Auditório do Edifício dos Paços do Concelho, entre profissionais de saúde, comunidade académica e escolar, representantes de farmácias, Instituições Particulares de Solidariedade Social, empresas privadas e comunidade em geral juntaram-se para refletir sobre a relação da inteligência artificial com a saúde. “I.A. ao serviço da saúde e das pessoas” foi o tema da conversa.

Ao dar início à conferência, Carlos Bernardes, presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras, destacou a parceria estabelecida com a Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova de Lisboa no sentido de fazer uma “radiografia intensa a todos os ativos existentes no nosso território na componente da saúde”, assim como o memorando de entendimento assinado com a Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa para a criação do Torres Vedras Health Park for Multidisciplinary Care.

Seguiu-se António Vaz Carneiro, médico, investigador e Professor Catedrático da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, que falou sobre as possíveis aplicações da inteligência artificial na medicina, incindindo particularmente sobre o contributo que poderá ser dado durante a fase de diagnóstico. Uma reflexão desenvolvida por Arlindo Oliveira, presidente do Instituto Superior Técnico, que se centrou nas tecnologias e aplicações na área da saúde.

O diretor executivo do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Oeste Sul, António Martins, começou por fazer o enquadramento daquele equipamento, seguindo-se a apresentação do Centro Nacional de TeleSaúde e do projeto “Proximidade Sénior”, por Rafael Franco. Neste âmbito, coube a Ricardo Pinto, do ACES Oeste Sul, apresentar os resultados obtidos por este agrupamento.

Os participantes ficaram, ainda, a conhecer o trabalho de várias start up’s portuguesas que demonstraram aplicações práticas da inteligência artificial e da tecnologia ao serviço da saúde, como a Lean Health, apresentada por Rui Cortes, SurgeonMate, por Nuno Muralha, e Neroes, por Rafael Ramos, assim como o Programa iSIMPLEX2019, apresentado por Pedro Sá Moreira.

A manhã contou com dois painéis de discussão que reuniram os vários oradores da conferência (com moderação de António Leão, diretor geral da Lilly Portugal, e Mário Peres, IoT Country Manager na Vodafone Portugal), assim como com a apresentação da vertente de inclusão social do projeto de robótica da Escola de São Gonçalo. Um grupo de alunas fez-se acompanhar por Jaime Rei, coordenador do projeto, para dar a conhecer o Tupi – Todos Unidos pela Inclusão, projeto que conquistou o quarto lugar no RoboCup, que decorreu em julho, na Austrália.

O Ciclo de Conferências a Oeste – Torres Vedras 2019 termina no dia 23 de novembro, no Auditório do Edifício dos Paços do Concelho, com o tema “A descentralização e uma visão para o futuro da saúde no Oeste“.

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here