18.9 C
Torres Vedras
Sábado, Setembro 25, 2021

WhatsApp-Image-2020-11-11-at-12.24.00-6

A câmara de Torres Vedras, no distrito de Lisboa, inaugura, na quarta-feira, feriado municipal, as obras de requalificação paisagística da Encosta do Choupal, um investimento de 890 mil euros. Os trabalhos na encosta do Choupal vêm requalificar a zona entre o Jardim do Choupal, cujas obras de reabilitação foram inauguradas em 2015, e o futuro Centro de Artes e da Criatividade (com espólio associado ao Carnaval torriense), contribuindo assim para melhorar a entrada norte da cidade, que estava "desqualificada" segundo o município. Na descrição do projeto no seu site, a Câmara Municipal explica que, "além da desqualificação ambiental, a encosta apresentava instabilidade, com muros e taludes inconsistentes, que criam pouca estabilidade às habitações que se situam no topo da encosta e impossibilitam a utilização deste espaço de forma segura". Além disso, o local não possuía um sistema de drenagem "eficiente que conduza as águas pluviais". A intervenção no espaço público permitiu demolir e requalificar alguns edifícios degradados, instalação de novo mobiliário urbano, construir novos taludes, um percurso pedonal até ao Jardim do Choupal, uma zona de lazer, hortas urbanas e um anfiteatro e plantar árvores. As obras inserem-se no Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) para a cidade, e foram lançadas a concurso público em janeiro de 2018. Na quarta-feira, são inauguradas as obras de reabilitação paisagística da Encosta do Choupal, e as obras de reabilitação de cinco fogos habitacionais da primeira fase do Programa Municipal de Habitação Social de Torres Vedras. Os imóveis foram adquiridos pela autarquia e depois reabilitados, para acolherem agregados familiares carenciados. Na mesma zona da cidade, o município está também a concluir a requalificação do antigo matadouro, um investimento de 3,5 milhões de euros que vai dar lugar ao Centro de Artes e da Criatividade. Trata-se de um espaço museológico dedicado ao museu do Carnaval de Torres Vedras, cuja inauguração está prevista para 12 de fevereiro de 2021. Na fase final, está também a requalificação da zona envolvente ao futuro Centro de Artes e da Criatividade, um investimento de 1,6 milhões de euros com reperfilamento da estrada, criação de espaços pedonais e verdes, bolsas de estacionamento, instalação de novo mobiliário urbano e consolidação da escarpa da antiga pedreira de saibro. O município tem outras empreitadas em curso: a reabilitação de imóveis para habitação social (1,1 milhões de euros), para a construção do Polo Social e Cultural, para acolher associações e eventos (683 mil euros), a reabilitação do espaço público envolvente aos bairros Floresta, Reis e Barreto (500 mil euros), o projeto de intervenção comunitária através das artes "Somos Comunidade" (235 mil euros) e a casa comunitária "Porta do Bairro", com programação cultural e recreativa (240 mil euros). Com a regeneração, o município pretende acabar com o estigma de a margem norte do rio Sizandro ser desfavorecida e atrair para aí empresas, fixar serviços públicos de proximidade e população.
A câmara de Torres Vedras, no distrito de Lisboa, inaugura, na quarta-feira, feriado municipal, as obras de requalificação paisagística da Encosta do Choupal, um investimento de 890 mil euros. Os trabalhos na encosta do Choupal vêm requalificar a zona entre o Jardim do Choupal, cujas obras de reabilitação foram inauguradas em 2015, e o futuro Centro de Artes e da Criatividade (com espólio associado ao Carnaval torriense), contribuindo assim para melhorar a entrada norte da cidade, que estava "desqualificada" segundo o município. Na descrição do projeto no seu site, a Câmara Municipal explica que, "além da desqualificação ambiental, a encosta apresentava instabilidade, com muros e taludes inconsistentes, que criam pouca estabilidade às habitações que se situam no topo da encosta e impossibilitam a utilização deste espaço de forma segura". Além disso, o local não possuía um sistema de drenagem "eficiente que conduza as águas pluviais". A intervenção no espaço público permitiu demolir e requalificar alguns edifícios degradados, instalação de novo mobiliário urbano, construir novos taludes, um percurso pedonal até ao Jardim do Choupal, uma zona de lazer, hortas urbanas e um anfiteatro e plantar árvores. As obras inserem-se no Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) para a cidade, e foram lançadas a concurso público em janeiro de 2018. Na quarta-feira, são inauguradas as obras de reabilitação paisagística da Encosta do Choupal, e as obras de reabilitação de cinco fogos habitacionais da primeira fase do Programa Municipal de Habitação Social de Torres Vedras. Os imóveis foram adquiridos pela autarquia e depois reabilitados, para acolherem agregados familiares carenciados. Na mesma zona da cidade, o município está também a concluir a requalificação do antigo matadouro, um investimento de 3,5 milhões de euros que vai dar lugar ao Centro de Artes e da Criatividade. Trata-se de um espaço museológico dedicado ao museu do Carnaval de Torres Vedras, cuja inauguração está prevista para 12 de fevereiro de 2021. Na fase final, está também a requalificação da zona envolvente ao futuro Centro de Artes e da Criatividade, um investimento de 1,6 milhões de euros com reperfilamento da estrada, criação de espaços pedonais e verdes, bolsas de estacionamento, instalação de novo mobiliário urbano e consolidação da escarpa da antiga pedreira de saibro. O município tem outras empreitadas em curso: a reabilitação de imóveis para habitação social (1,1 milhões de euros), para a construção do Polo Social e Cultural, para acolher associações e eventos (683 mil euros), a reabilitação do espaço público envolvente aos bairros Floresta, Reis e Barreto (500 mil euros), o projeto de intervenção comunitária através das artes "Somos Comunidade" (235 mil euros) e a casa comunitária "Porta do Bairro", com programação cultural e recreativa (240 mil euros). Com a regeneração, o município pretende acabar com o estigma de a margem norte do rio Sizandro ser desfavorecida e atrair para aí empresas, fixar serviços públicos de proximidade e população.