Torres Vedras quer região do Oeste promovida pelo Turismo de Lisboa
publicidade

A Assembleia Municipal de Torres Vedras aprovou hoje por unanimidade uma moção a defender a saída dos municípios da região Oeste do Turismo Centro de Portugal e a sua inclusão no Turismo de Lisboa.

A moção, que foi apresentada pelo PS, sustenta que, em 2012, “ninguém no território foi chamado a pronunciar-se” sobre a inclusão do Oeste no Turismo Centro de Portugal, com a fusão de regiões de turismo e a extinção do Turismo do Oeste, que tinha sido criada em 1984.

Os deputados municipais referem que o Turismo Centro de Portugal, com mais de uma centena de municípios associados, não possui identidade cultural.

Com a inclusão no Turismo Centro de Portugal, Torres Vedras defende que, desde 2012, se tem assistido a um “flagrante esvaziamento internacional do Oeste, “quebra de visibilidade com o que isso significa de perda económica e, até, de atração de investimento no setor”.

Neste sentido, a Assembleia Municipal delibera pedir ao Governo “procedimento urgente para a integração do Oeste na entidade regional Turismo de Lisboa”.

Com essa mudança, o Oeste passa a ser promovido através da marca internacional Lisboa, “à qual, por razões históricas, culturais, geográficas e de planeamento e ordenamento do território está intrinsecamente” ligado.

A moção vai ser enviada aos 12 municípios do Oeste e respetiva Comunidade Intermunicipal, às comunidades intermunicipais do Médio Tejo e Lezíria do Tejo, ao Turismo de Lisboa, à Agência Regional de Promoção Turística de Lisboa e ao Turismo de Portugal.

A região Oeste é composta pelos concelhos de Alcobaça, Bombarral, Caldas da Rainha, Nazaré, Óbidos e Peniche, do distrito de Leiria, e por Alenquer, Arruda dos Vinhos, Cadaval, Lourinhã, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras, do distrito de Lisboa.

A Assembleia Municipal decidiu ainda recomendar à câmara a criação de espaços de estudo para estudantes do concelho (apresentada pelo PS), assim como a tradução em língua gestual das reuniões públicas da câmara e assembleia municipal (Bloco de Esquerda).

A assembleia aprovou também por maioria uma recomendação do Bloco de Esquerda a pedir a remoção de relvados em rotundas e canteiros urbanos no concelho, que carecem de rega regular, como medida de combate às alterações climáticas, e a sua substituição por plantas autóctones.

Estão excluídas as áreas relvadas de interesse lúdico, como são os parques verdes do Choupal e da Várzea.

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here