publicidade

A Comissão de Utentes da Linha do Oeste alertou hoje que os utentes deste serviço ferroviário estão a ser discriminados no Plano de Apoio à Redução Tarifária por continuarem a pagar passes desta região para Lisboa superiores aos da rodovia.

“O Programa de Apoio à Redução Tarifária nos Transportes [PART] não foi aplicado a 100% na Linha do Oeste, porque, nas ligações à Área Metropolitana de Lisboa [AML], só existe um desconto de 30% nos passes e não foi aplicado o passe equivalente ao do autocarro”, afirmou Nuno Clímaco, membro da comissão, em conferência de imprensa, nas Caldas da Rainha, distrito de Leiria.

A Comunidade Intermunicipal (CIM) do Oeste “tem de concretizar a promessa feita há um ano”, advertiu.

Contactado pela Lusa, Paulo Simões, primeiro secretário da CIMOeste, explicou que, como em janeiro de 2020 o Orçamento do Estado para este ano ainda não estava em vigor e a CP – Comboios de Portugal, sendo uma empresa pública, depende dele, não foi possível uniformizar o valor dos passes na ferrovia.

Por outro lado, acrescentou, a CP está a cobrar à CIMOeste montantes cinco vezes superiores aos negociados para a compensação tarifária, ao “faturar toda a linha”, sem ter em conta o destino dos passageiros, dentro da AML, motivo pelo qual “não chegaram a acordo”.

Apesar de o passe dentro dos concelhos da região Oeste ser mais baixo na ferrovia (30 euros) do que na rodovia (40 euros), para incentivar o uso do transporte ferroviário, o mesmo não se verificou nos passes dos utentes que se deslocam desta região para os concelhos da AML através da Linha do Oeste.

Enquanto na rodovia o passe inter-regional varia entre os 70 ou 80 euros, conforme o concelho de origem, na ferrovia o valor aumenta.

“Um utente de Caldas da Rainha que tire passe para Lisboa paga 80 euros no autocarro e 150 euros na Linha do Oeste”, exemplificou a comissão de utentes.

Os passes entre a região Oeste e a AML, na Linha do Oeste, têm apenas em vigor um desconto de 30%, o que permitiu baixar de 214,25 euros para 150 euros o passe a partir das Caldas da Rainha.

Paulo Simões assegurou que, ainda este ano, CP e CIMOeste vão reunir-se para “avaliar os custos” e “negociar passes iguais aos da rodovia” para 2021.

Mais de cinco mil cidadãos usam todos os dias os transportes para se deslocarem dos vários concelhos da região para Lisboa.

A região Oeste é composta pelos concelhos de Alcobaça, Bombarral, Caldas da Rainha, Nazaré, Óbidos, Peniche, do distrito de Leiria, e por Alenquer, Arruda dos Vinhos, Cadaval, Lourinhã, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras, do distrito de Lisboa.

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here