Vertente educativa, cultural e económica entre Villenave-D'Onor e Torres Vedras foi reforçada
publicidade

Durante este três dias, foram trabalhadas um conjunto de ações que “entendemos que são importantes para o território de Torres Vedras e para a nossa região”, revelou o presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras.

Entre 7 e 9 de dezembro, uma comitiva de Torres Vedras visitou Villenave d’Ornon, cidade francesa da área metropolitana de Bordéus, no âmbito da comemoração do 25º aniversário da geminação entre as duas cidades.

Durante este três dias, foram trabalhadas um conjunto de ações que “entendemos que são importantes para o território de Torres Vedras e para a nossa região”, revelou o presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras, Carlos Bernardes, ao TORRES VEDRAS WEB que acompanhou a comitiva torriense nesta viagem.

No primeiro dia, a comitiva visitou o Instituto de Ciências do Vinho e da Vinha sediado em Villenave-d’Onor, um grande instituto francês, e logo aí, Carlos Bernardes pode estabelecer e aprofundar a relação de parceria entre o Instituto de Villenave-d’Onor e o Laboratório Colaborativo para a Inovação Digital na Agricultura em Torres Vedras com o objetivo de haver uma cooperação na formação dos jovens.

“Já tinha em tempos feito uma aproximação com o Instituto de Ciências do Vinho e da Vinha de Villenave-d’Onor, que nos pudesse auxiliar e a partir daqui podermos criar uma parceria com o nosso Laboratório Colaborativo para a Inovação Digital na Agricultura, que tem, de certa forma, um grande objetivo, de através do conhecimento e da ciência, podermos ter um modelo digital ao serviço da nossa agricultura. Em função disso, estabelecemos e aprofundámos essa relação e faço votos que a mesma possa vir a ser uma realidade para encontrar aqui forma de poder cooperar na formação nomeadamente do jovens”, afirmou o presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras.

Nesse mesmo dia, a comitiva foi recebida por Patrick Pujol, presidente da Câmara Municipal de Villenave d’Ornon, no edifício da Câmara Municipal, para inaugurar a exposição alusiva aos 25 anos desta geminação.

Ainda na área da educação, os municípios aprofundaram a iteração entre os técnicos portugueses e os francesas para que haja uma maior troca de conhecimentos. “Aprofundar, cada vez mais, a relação e aquilo que são os grandes desafios dos municípios em Portugal, que tem a ver com o processo de descentralização das nossas competências na área da educação, é uma área que queremos interagir de uma forma mais intensiva nomeadamente na capacitação dos nossos técnicos com os técnicos franceses e podermos perceber os respetivos modelos, e por tanto, com esta troca de experiências também podermos melhorar aquilo que é a atividade que desenvolvemos na área da educação, perceber a novas tendências, questões mais inovadoras associadas aos modelos de educação”, adiantou Carlos Bernardes.

No segundo dia, a comitiva visitou a Quinta Loupiac-Gaudiet, uma quinta familiar da região de Bordéus, e a cooperativa Union de Producteurs de St. Émilion, dando a oportunidade de se conhecer diferentes cenários de produção de vinho.

O enoturimo e as bio-regiões foram outras duas vertentes reforçadas pela edilidade. O presidente da Câmara Municipal convidou o homologo de villenave-d’onor para fazer parte da Rede Europeia das Cidades do Vinho-RECEVIN, sendo que Carlos Bernardes está no conselho de administração, e da rede das Bio-Regiões. “O convite foi feito na medida em que a génese da própria geminação foi através da vinha e do vinho, sendo Torres Vedras o principal produtor de vinho em Portugal e Villevane-d’Onor também inserido na grande região de Bordéus, uma grande região produtora de vinho no mundo e por tanto essa é uma dimensão que estamos a trabalhar e queremos profundar. No que diz respeito às Bio-Regiões o convite foi feito no sentido em que possamos cada vez mais apostar na agricultura biológica, nos produtos bio que também são nichos, mas são nichos importantes para o desenvolvimento sustentável dos territórios”.

No enoturismo, segmento da atividade turística que se baseia na viagem motivada pela apreciação do sabor e aroma dos vinhos e das tradições e cultura da localidades que produzem esta bebida, ficou em cima da mesa a possibilidade dos vinhos de Lisboa, em 2020, estarem associados ao museu do vinho de Bordéus, Cité du Vin, um museu recente e muito modernizado que a comitiva visitou no último dia desta viagem.

“Na componente do enoturismo também há uma possibilidade, que começámos a trabalhar, e tem a ver com o posicionamento dos vinhos de Lisboa e a possibilidade, numa abordem que tive a oportunidade de fazer em City du Vin, no sentido a que, em 2020, possamos estar com os vinhos de Lisboa associados ao museu do vinho de Bordéus, que é de facto uma peça única, um museu muito recente que tem essa capacidade e também no âmbito que foi a sua visitação, conseguimos tirar algumas ideias, em relação àquilo que tivemos oportunidade de visualizar, para projetos que neste momento estamos a dar os primeiros passos, falo nomeadamente do Centro de Inovação de Gastronomia e Vinhos que estamos a consolidar ideias para vir a construir naquilo que é o antigo Instituto da Vinha e do Vinho, na cidade de Torres Vedras.

Carlos Bernardes, presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras, liderou uma comitiva que contou com Carlos Miguel, secretário de Estado das Autarquias Locais e anterior presidente da Câmara Municipal, José Augusto Carvalho, presidente da Assembleia Municipal e presidente da Câmara Municipal à data da assinatura do tratado de geminação, vereadores, membros da Assembleia Municipal, representantes das juntas de freguesia do concelho e de municípios da Oeste CIM, Rosália Duarte, presidente da Associação de Intercâmbio Municipal – ASSIM, José Arruda, presidente da Associação de Municípios Portugueses do Vinho, Carlos João Pereira da Fonseca, vice presidente da Comissão Vitivinícola da Região de Lisboa, produtores e organizações ligadas ao mundo vitivinícola e representantes da comunicação social local.

Esta visita decorreu no ano em que Torres Vedras e Alenquer são “Cidade Europeia do Vinho 2018”, distinção atribuída pela Rede Europeia das Cidades do Vinho – RECEVIN que pretende divulgar e promover a vinha e o vinho da região, assim como projetar a sua oferta enoturística.

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here